Thursday, March 20, 2008

Curta estupidez

Uma loira vai na rua e é abordada por um meliante da seguinte forma: "Pare!"

Ao qual a mesma responde: "Ímpar!"

---

Quais são as plantas dos pés?

São dálias.

Monday, October 8, 2007

Muro das Lamentações

Dando início a uma nova rubrica, O Muro das Lamentações ou Raispartam o Mundo Em Que Vivemos!!!

Este nosso bloger anda com uma daquelas neuras raivosas. Não das que dá vontade de chorar ou de balir que nem uma cabra, mas sim uma pequena neurose de origem irritada, capaz de provocar dores lombares e fazer um homem adulto suar que nem uma jovem bronzeada ao sol.

Tendo em conta este cenário e visto que estamos no meu blogue, irei de seguida proferir uma correnteza de vilipêndios e escárnios que dizem respeito ao universo e a todos os que o habitam.

Ora bem, cá vai:

*oda-se-mais-ó-*aralho-deste-filhada*uta-de-mundo-pestilento-ca*rão-mal-cheiroso-e-da-*ona-da-tia(porquê da tia? nunca percebi...)-maisóca*alho(bis)-que-safossem-todos-afogar-na-mer*a-da-m*ita (adoro combinar líquidos fisiológicos) donde-vieram-maisóca*alho(tris) ca-*onadamãe-às-costas (da mãe? às costas? sentir as pilosidades do pito materno nas espaldas deve ser uma daquelas sensações bem estranhas...adiante) toda-escanchada-maisóca*alho(quarta vez, o que dá compreender a complexidade da língua portuguesa no que se refere ao escárnio). Sa-fossem-todos-apanhar-nap*ida(já cá faltava)-de-pretos-com-mas**rros-do-tamanho-do-ca*alho-maisóca*alho (falando de..) e sa-fossem-todos-*uder-cas-pu*as-das-ca*ronas (só para reforçar) do-ca*alho-que-os-*oda-dos-filhos-da-*uta-desses-ca*alhos (já perdi o fio à meada!) cheios-da-m*ita-até-às-orelhas (perdido por cem...) a-nadar-na-*uta-do-ca*alho-cheiodamer*a-c'um cheiro-a-boca-toda-esp***ada (e agora o grande final) maizóca*alhoc*sfo*átodos!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Quem ficar escandalizado, ficou

Quem quiser que eu publique a versão não-censurada, é só avisar

Quem achar que pirei de vez, tem razão, mas defendo-me dizendo que a culpa é do sistema capitalista e desta sociedade desumanizada na qual nos encontramos

Quem achar que sou apenas um desgraçado carente, aviso que acertou em cheio e avanço que estou disponível para umas palmadas no rabinho.

Obrigado e tenham um boa existência

Thursday, September 20, 2007

Sugestões

Para quem nunca ouviu falar dos umbilical brothers

http://br.youtube.com/watch?v=7aZe_WSieSY

Friday, September 14, 2007

Oh my God...

Percebo que as atenções do nosso paíszinho se divide entre um par de médicos bifes que aparentemente mandou a sua filha para o além e a pêra que um brasileiro enfiou num sérvio.

Poderei deduzir que a populaça está entretida com histórias de horror e porrada?

Ou será que a dita populaça não quer saber das coisas que realmente interferem com as suas vidas quotidianas?

Seja como fôr, a verdade é que, enquanto nós nos deparamos com questões "secundárias" tais como: "como pagarei a próxima prestação da casa?" ou "quero ter filhos mas não tenho dinheiro para lhes dar de comer", os nossos líderes económicos e políticos reúnem-se em barcos pomposamente decorados na ribeira portuense e assistem a espectáculos de fado, dançando alegremente o vira do minho.

Conclusão deprimente:

Estamos tão preocupadinhos com o aspecto furgal das nossas existências que, não tarda nada, as refeições lusas serão constituidas por uma lata de feijão do Lidl e os mais afortunados terão direito a um copo de vinho chileno, enquanto os nossos vinhos alentejanos são exportados para países onde populaça se mexe pelos seus direitos.

Tenho medo, muito medo

Friday, August 31, 2007

Pérolas da comunicação

Meus caros, eis um belo exemplo do que se pode fazer com a língua portuguesa.

http://www.youtube.com/watch?v=WrcppvGEmAI

Friday, August 24, 2007

Anos 80

Os anos oitenta... época aúrea do rosa choc, dos sintetizadores, dos óculos de massa que acupavam a cara toda e das calças de ganga justas.

Década ímbuida de progresso económico, novas tecnologias, conflitos armados (bem, parece que este ponto é comum a todas as décadas), de uma nova consciência ecológica e social.

Os anos oitenta fizeram ao século XX o mesmo que o período da barroco fez à história da humanidade: lembrou-nos que o excesso e a piroseira fazem parte da natureza humana, e por mais que a gente não queira, mais tarde ou mais cedo iremos todos passar por uma fase de mau gosto cego. O mesmo se aplica às nossas vidinhas tempo-espacialmente limitadas.

Ultrapassando as taxas de sucesso dos revivalismos anteriores, este reviver os eighties parece que veio para ficar.

Será devido à complexidade estética, dirão alguns, aos sons evoluidos e complexos, dirão outros, ao facto que grande parte da geração activa ter vivido na infância essa década muita fixe, dirá o Cájó.

Tudo isto and then some.

A minha rude opinião tenta, com as suas mãos calejadas e a sua já gasta enxada chegar ao núcleo da coisa.

Ora vamos lá ver:

Os anos cinquenta e sessenta tinham uma estética muito cuidada e atraente, os anos setenta tinham sons muiiiito avançados para a época, roupas glamorosas, sexo livre e garotas elegantes, os noventas tinham a Kevin Costner e a Witney Houston (dasssse!!!!!!.... desculpem, escapou-se.), mas nenhuma destas décadas tinha a porta escancarada na decadência humana nas suas mais variadas formas.

Ela é o excesso de laca, as depressões, o exibicionismo, cabedal e ganga, cores garridas, gajas feias que com tanta maquilhagem ficavam iguais às outras, lábios vermelhos, louras platinadas, o Falco, cintos com fivela grossa, botas de matar-a-barata-no-canto-da-sala, cigarros a serem fumados, o Punk, cabelos espetados e pulseiras de couro com picos.

Resumindo, é a desculpa ideal para soltarmos o bicho básico, mundano e espanpanante que há dentro de cada um de nós.

E levar uns brotosde 18 anos para casa no processo, porque vá-se lá saber porquê ainda gostam mais disto que os demais.

Deve ser porque foram feitas ao som do "Simply the Best" da tia Tina.